quarta-feira, 7 de novembro de 2007

SÓCRATES E SUA AUTO-DEFESA

VICK MATURE AGLANTZAKIS
Pós-Graduado em Direito Processual Civil e Direito Civil



Ante o Tribunal Ateniense que condenou Sócrates a morte, o filósofo usando o exercício de auto-defesa, proferiu as seguintes palavras, conforme conta em Apologia a Sócrates e citado por Paulo Cesar Ribeiro Galliez, em Princípios Institucionais da Defensoria Pública, pág.10, lumen juris editora, 2 edição:

" Mas, ó cidadãos, talvez o difícil não seja isso: fugir da morte. Bem mais difícil é fugir da maldade, que corre mais veloz que a morte. E agora eu, preguiçoso como sou e velho, fui apanhado pela mais lenta, enquanto os meus acusadores, válidos e leves, foram apanhados pela mais veloz : a maldade. Assim, eu me vejo condenado à morte por vós; vós, condenados de verdade, criminosos de improbidade e de injustiça. Eu estou dentro da minha pena, vós dentro da vossa. E talvez essas coisas devessem acontecer mesmo assim. E creio que cada qual foi tratado adequadamente.'

A eloquência e a firmeza das palavras proferidas por aquele que fora acusado de subverter a população ateniense, em especial os jovens, ecoam no tempo, com uma verdade inexorável. Os paladinos da justiça imiscuidos nas instituições, que não são muitos felizmente, arvoram-se em senhores da verdade, arrostam a turba com julgamento antecipado feito pela mídia, sem que ao acusado seja dado o mesmo espaço para refutar as acusações que lhe são dirigidas, sendo condenado antecipadamente pela sociedade.

Não se quer com isso condenar o trabalho da imprensa, ao contrário, só não é admissível em uma sociedade de direito, aliás que se reputa de Estado Democrático de Direito, a humilhação com que são expostos os acusados. Assim além de demonstrar os fatos, deve ser dado aqueles que porventura forem segregado ainda que temporariamente, o direito de auto defender-se perante a sociedade.

2 comentários:

Daniel M disse...

Lindoooooooooooooooooooooooooooo!!
Te amo!!!

Anônimo disse...

Em absoluto gostei da opinião do autor do texto. A mídia é uma faca de dois gumes, mas ainda existem competentes profissionais, que não fazem da vida das pessoas um verdadeiro sensacionalismo.